Festa dos Tabernáculos  ---     

Revisado em  5779

  "Sukkot"  -   "Festa dos Tabernáculos"

Israel -   15 - 21 de Chodesh HaShevi’i do ano 5779   -  (Pôr do sol de 14 de Chodesh HaShevi’i ao pôr do sol de 21 de Chodesh HaShevi’i)
Brasil -  Em torno das 12:28h do dia 23 de setembro (domingo) às 12:28 do dia 24 de setembro de 2018 (segunda feira) horário de Brasilia.

Esta festa possui duplo significado

  • 1* Celebra o transporte dos frutos da colheita ao Templo em Jerusalém.
  • 2* Como festa das cabanas (Tabernáculos), ela tem por finalidade lembrar ao povo de Israel o período em que ficaram morando em tendas quando de sua peregrinação pelo deserto ao saírem do Egito em direção à terra prometida a Abraão, Isaque e Jacó.


Sendo esta uma festa típica (profética) ainda por cumprir, a mesma tem sido interpretada como se segue:

  • *  Sendo a colheita um símbolo da reunião de todos os salvos recolhidos ao longo do conflito travado entre Miguel e satanás, a festa da colheita, aponta para o dia quando então Miguel enviará Seus anjos para buscar todos aqueles que consagraram a vida ao Eterno.
  • *  Sendo o Tabernáculo um símbolo da morada onde encontra-se o Trono do Deus eterno, a Festa do Tabernáculo aponta para aquele dia em que todos os salvos, conforme mencionado no item acima, tendo à frente Miguel, iniciarão uma jornada em direção a morada do Eterno para então serem apresentados diante do Deus Altíssimo perante toda hoste celestial.

 

  • Esperamos encontrá-lo (a) juntamente neste grupo



Shalom Adonai!

                                                      Saiba mais

 

       

comentários

C. M. S   21/12/2013

Assunto: Festa dos Tabernáculos

Mensagem: 
As leis cerimoniais judaicas foram abolidas por Cristo na cruz (o significado de cada uma delas se cumpriu em Cristo). Por esse motivo, mesmo os judeus que se convertem hoje ao cristianismo estão dispensados da lei cerimonial judaica. Por isso, não fazemos sacrifícios de animais, não guardamos o sábado, não celebramos as festas judaicas, etc.

Se alguém quiser observar algum costume judaico, isso não constituirá problema, desde que a pessoa não veja nisso uma condição para a salvação e nem prometa através destas coisas tornar alguém mais espiritual. (Rm 14.-8)


“Acolhei ao que é débil na fé, não, porém, para discutir opiniões, veja que não estou colocando uma opinião e sim um estudo teológico e sério para esclarecimento e estou aberto a um diálogo inteligente dentro da bíblia...

"Um crê que de tudo pode comer, mas o débil come legumes; quem come não despreze o que não come; e o que não come não julgue o que come, porque Deus o acolheu. Quem és tu que julgas o servo alheio? Para o seu próprio senhor está em pé ou cai; mas estará em pé, porque o Senhor é poderoso para o suster. Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente. Quem distingue entre dia e dia para o Senhor o faz; e quem come para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come para o Senhor não come e dá graças a Deus. Porque nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor ”.

O problema é justamente a conotação dada a essas festas e aos costumes judaicos pelos Judeus da Nova Aliança e por pessoas de movimentos judaizantes dentro da Igreja Cristã, como algo que não se pode deixar, ou ainda que é mandado por estatuo perpétuo. Por exemplo, dizem que se não celebrarmos as festas estaremos sendo devedores ao Senhor e que celebrar seria repreender o “espírito de Roma” da Igreja, que o Evangelho estaria de volta a Jerusalém, etc.

Celebrar uma festa judaica na igreja como representação simbólica do período vetero-testamentário nada tem de mais, no entanto, colocar isso como obediência de mandamento é certamente abandonar a graça de Deus e voltar a Lei.

Já há gente se vestindo de pano de saco e banhando-se de cinzas para mostrar arrependimento, o que denota tremenda infantilidade.

Em certos ambientes, para se aproximar do púlpito é preciso que os crentes tirem os calçados, pois estariam pisando em “lugar santo”. Com isso, a obra de Cristo estará sendo colocada em segundo plano, como algo incompleto e insuficiente, como fica claro em Gálatas 5.4-6 “De Cristo vos desligastes, vós que procurais justificar-vos na lei; da graça decaístes. Porque nós, pelo Espírito, aguardamos a esperança da justiça que provém da fé. Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão têm valor algum, mas a fé que atua pelo amor”.

Além de tudo isso, é bom que citemos as palavras de Paulo: "..não estais debaixo da lei mas debaixo da graça." (Rm.6.14).

 

CONSIDERAÇÃO

Equipe Conhecendo a Verdade

Agradecemos vossa participação.

     Considerando o primeiro parágrafo onde é enfatizado que as leis cerimoniais foram abolidas por Cristo na cruz, precisamos primeiramente compreender o significado de cada cerimônia lembrando também que o próprio Jesus disse que não veio abolir a lei mas cumprir.

   Devemos seguir o exemplo dos bereanos (Atos 17:11) que examinavam as Escrituras para ver se o que Paulo ensinava estava correto, lembrando também que nos dias dos apóstolos a escritura utilizada era apenas o Antigo Testamento.

     Considerando o terceiro parágrafo onde está escrito “estou aberto a um diálogo inteligente dentro da bíblia ...” nos alegramos pois são poucos os que tem demonstrado tal sentimento.

     Considerando os demais parágrafos temos a dizer que infelizmente muitos ao invés de buscar orientação na fonte que o Eterno estabeleceu, preferem o discernimento dos teólogos e as tradições por eles estabelecidas o que tem ocasionado uma verdadeira confusão no meio religioso.  

Shalom!

 

 

 

 

Contato

Conhecendo a Verdade

e_b_verdade@hotmail.com

Pesquisar no site

© 2012 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode